A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) registrou, nesta terça-feira (18/01), 1.667 casos da Covid-19. Entre os confirmados hoje, 13 (0,8%) são casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e 1.654 (99,2%) são leves. Agora, Pernambuco totaliza 657.143 casos confirmados da doença, sendo 55.581 graves e 601.562 leves, que estão distribuídos por todos os 184 municípios pernambucanos, além do arquipélago de Fernando de Noronha.

Também foram confirmados laboratorialmente quatro óbitos (3 femininos e 1 masculino), ocorridos entre os dias 09/04/2021 e 13/01/2022. As novas mortes são de pessoas residentes dos municípios de Cabrobó (1), Recife (2) e Tuparetama (1). Com isso, o Estado totaliza 20.558 mortes pela Covid-19.

Os pacientes tinham entre 45 e 89 anos. As faixas etárias são: 40 a 49 (1), 60 a 69 (1), 70 a 79 (1) e 80 e mais (1). Dois tinham doenças preexistentes: doença cardiovascular (2), diabetes (1) e hipertensão (1) – um paciente pode ter mais de uma comorbidade. Um não tinha comorbidades e o outro segue em investigação.

VACINAS PEDIÁTRICAS

Com a chegada, nesta terça-feira (18.01), de novas 60 mil doses de vacinas contra a Covid-19 para crianças, Pernambuco realiza mais um avanço na imunização deste público. A partir de agora, os municípios poderão vacinar todos os meninos e meninas de 5 a 11 anos com comorbidades, com deficiência permanente e as pertencentes às Comunidades Tradicionais Quilombolas. Além disso, por orientação do Comitê Técnico Estadual para Acompanhamento da Vacinação e pactuação entre o Estado e os gestores municipais, ficou definida também a autorização para iniciar a proteção das crianças por faixa etária de forma decrescente, contemplando, inicialmente, as com 11 anos de idade, a partir da disponibilidade de doses em cada município.

“Precisamos trabalhar fortemente a vacinação no Estado, principalmente das populações mais vulneráveis. Pactuamos na Comissão Intergestores Bipartite um importante avanço na proteção de nossas crianças com a inserção de novos grupos e a imunização das crianças com 11 anos. Contamos com o apoio dos gestores municipais na elaboração de estratégias de vacinação para que possamos proteger esse grupo de forma célere”, destacou o secretário estadual de Saúde, André Longo.

Com a expectativa para chegada de novas doses da vacinas da Pfizer/Comirnaty, indicada para o uso pediátrico, ficou definido que novos avanços por faixa etária serão feitos a partir da disponibilização de doses nos estoques de cada município e das estratégias adotadas para garantir o acesso à imunização.

“Em nosso Estado, contamos com uma estimativa de 178.405 na faixa etária dos 11 anos, e neste momento, é primordial a absorção dos grupos elegíveis visando o início de novos esquemas vacinais e a ampliação da oferta da proteção para novos grupos etários. Para a próxima semana, esperamos receber novo quantitativo de doses, o que possibilitará o incremento do grupo formado por crianças com 11 anos de idade”, afirmou a superintendente de Imunizações, Ana Catarina de Melo.

No grupo de comorbidades, elencadas pelo Plano Nacional de Operacionalização (PNO), estão a diabetes mellitus, as pneumopatias crônicas graves, anemia falciforme, doenças cardiovasculares, obesidade grave, doença renal, cirrose hepática e imunossuprimidos. “Os pais, ou responsáveis, devem estar atentos aos anúncios feitos pelos seus municípios sobre a autorização e/ou agendamento para este grupo”, completou a gestora.

Do início da campanha, em 18 de janeiro de 2021, até o momento, Pernambuco já recebeu 17.380.903 doses de vacinas contra a Covid-19. Desse total, foram 5.044.420 da Astrazeneca/Oxford/Fiocruz; 4.287.253 da Coronavac/Butantan; 7.623.720 da Pfizer/BioNTech; 120.000 doses da vacina pediátrica da Pfizer e 305.510 da Janssen.

BOLETIM INFLUENZA

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) informa que, desde 2021 até o dia 17.01.22, foram confirmados 9.401 casos de influenza A pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE), sendo 9.233 do subtipo H3N2 e 168 não subtipados. É importante destacar que esse número não representa a totalidade de casos, uma vez que a vigilância da influenza não é universal.

Do total de casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) computados no Estado, que pode ocorrer por outros vírus respiratórios, 1.091 são de influenza A, sendo 1.074 do subtipo H3N2 e 17 casos não subtipados.

Dos casos de Srag registrados, 160 evoluíram para óbito. De acordo com as investigações epidemiológicas e análises laboratoriais, 31 destas mortes foram causadas por agravamento do quadro da Influenza A, sendo 30 do subtipo H3N2 e 1 não subtipado. Os outros 129 óbitos com resultado laboratorial detectável para influenza A estão em investigação para a causa da morte. Vale frisar que um paciente infectado com o vírus influenza pode vir a falecer de outras causas que não sejam o próprio vírus.

“A diferença nos óbitos divulgados anteriormente com os divulgados no boletim de hoje é que estamos investigando detalhadamente as mortes com resultado positivo para influenza A para determinar a causa básica da morte. Ou seja, precisamos identificar se o paciente morreu com influenza ou por influenza. Analisando a causa da morte, qualificamos a vigilância dos vírus respiratórios no Estado”, explica a secretária executiva de Vigilância em Saúde da SES, Patrícia Ismael.

Os 31 pacientes que vieram a óbito por influenza A eram residentes dos seguintes municípios: Camaragibe (3), Condado (1), Escada (2), Goiana (1), Ipojuca (1), Jaboatão dos Guararapes (3), Olinda (3), Palmares (2), Paudalho (1), Paulista (2), Recife (9), São Vicente Ferer (1), Sirinhaém (1) e Vicência (1).

As idades dos pacientes variam entre 1 e 105 anos – 13 eram do sexo masculino e 18 do feminino. As faixas etárias são: 1 a 5 (2), 10 a 19 (2), 40 a 49 (4), 50 a 59 (1) e 60 e mais (22). Os pacientes apresentavam comorbidades e possuíam fatores de risco para complicação por influenza, como diabetes, doença cardiovascular, doença renal crônica, hipertensão arterial e sobrepeso.

MEDIDAS DE ISOLAMENTO

A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde, publicou nesta terça-feira (18/01) uma nova nota técnica (Nº 4/2022) para atualizar e subsidiar os profissionais e serviços de saúde de Pernambuco com orientações sobre as ações de vigilância epidemiológica e laboratorial da Covid-19.

O documento ratifica que as medidas de isolamento – para casos confirmados da doença – podem variar e devem ser cumpridas conforme o quadro clínico apresentado. Pessoas sintomáticas, que manifestaram sintomas leves ou moderados, deverão permanecer em isolamento durante 10 dias, podendo ser liberado após o 10º dia da data do início dos sintomas, desde que permaneça mais de 24 horas sem sintomas respiratórios, sem febre e sem uso de medicamentos antitérmicos.

Já pessoas assintomáticas devem permanecer em isolamento por um período de 7 dias, a ser iniciado a partir da data da coleta da amostra, podendo ser liberado após o 7º dia da data da coleta do exame, desde que permaneça sem sintomas respiratórios, sem febre e sem uso de medicamentos antitérmicos.

Diferentemente da recomendação do Ministério da Saúde, a nota técnica estadual não orienta que o isolamento possa ser suspenso no 5º dia completo do início dos sintomas desde que permaneça afebril, sem o uso de medicamentos antitérmicos há pelo menos 24 horas e mediante a ralização de testagem com resultado não detectado para RT-PCR ou não reagente para Teste Rápido de Antígeno (TR-Ag).

“Podemos dizer que Pernambuco está sendo mais conservador nas medidas de isolamento de pessoas com diagnóstico confirmado para Covid-19, já que estamos recomendando maiores cuidados no período de transmissibilidade da doença. Nosso maior objetivo é reduzir a disseminação da Covid-19 a partir do isolamento e identificação de indivíduos expostos a um caso confirmado. Agir com segurança para evitar uma maior propagação do vírus é a nossa meta. Por isso, não recomendamos que mesmo sem sintomas, as pessoas realizem uma testagem no 5º dia para interromper o isolamento mediante um resultado negativo. Orientamos que pessoas que apresentaram sintomas cumpram os 10 dias completos de quarentena, sem a necessidade de realização de novo teste. Aqueles que não apresentaram sintomas, orientamos que se cumpra os 7 dias de isolamento, também sem a necessidade de testar antes desse período para sair da quarentena”, explica a secretária executiva de Vigilância em Saúde da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), Patrícia Ismael.

A nova nota, composta por oito pontos, apresenta (1) as definições de casos; (2) as definições de óbito; (3) os indivíduos elegíveis para testagem; (4) a notificação dos casos e óbitos suspeitos; (5) exames laboratoriais; (6) orientações quanto ao isolamento de casos; (7) rastreamento, isolamento e monitoramento dos contatos; e (8) Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P).

BALANÇO DA VACINAÇÃO

Pernambuco já aplicou 15.376.526 doses de vacinas contra a Covid- 19 na sua população, desde o início da campanha de imunização no Estado (no dia 18 de janeiro de 2021).

Com relação às primeiras doses, foram 7.327.255 aplicações (cobertura de 95,25%). Do total, 6.438.974 pernambucanos (83,71%) já completaram seus esquemas vacinais, sendo 6.265.873 pessoas que foram vacinadas com imunizantes aplicados em duas doses e outros 173.101 pernambucanos que foram contemplados com vacina aplicada em dose única.

Em relação às doses de reforços (terceira dose), já foram aplicadas 1.610.297 (cobertura de 24,38%).

Outras informações detalhadas sobre a população vacinada contra a Covid-19 estão disponíveis no Painel de Acompanhamento Vacinal, que pode ser acessado pelo https://bit.ly/3xteooh. No ambiente on-line, há as coberturas por grupo e por municípios, doses aplicadas x distribuídas por cidade, perfil dos vacinados (sexo, raça/cor). Há, ainda, as bases de dados para download.